NO AR AGORA!

Bom Dia Concórdia

08:00 11:30

Variante do coronavírus pode estar atrás de explosão de internações em SC

Publicado em 1 de março de 2021

Por Dagmara Spautz

Estado tem mais de 200 pessoas na fila à espera de vagas de UTI
Estado tem mais de 200 pessoas na fila à espera de vagas de UTI (Foto: Thomas Coex/AFP)

O superintendente de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário confirmou à coluna, nesta segunda-feira (1º), que a explosão de internações por Covid-19 pode ser resultado da circulação de novas variantes em Santa Catarina. Segundo ele, os números apontam para uma maior transmissibilidade da doença. O Estado tem mais de 200 pessoas na fila de espera por um leito de UTI. Os hospitais estão lotados em todas as regiões.

– Que tem mudança no perfil epidemiológico, tem. E as pessoas precisam ficar cientes disso – alertou.  

Ele lembrou que, até agora, testes de sequenciamento genômico identificaram a variante P.1, conhecida como variante brasileira, em oito pacientes de Covid-19 que trouxeram a doença de outros estados. Mas o superintendente não descarta que haja transmissão comunitária – ou seja, local – do vírus sob mutação.

– Se isso ficar provado nos exames, só teremos a confirmação laboratorial de evidência epidemiológica que já estamos acompanhando – avalia.

Seis pacientes com Covid-19 morrem aguardando leitos de UTI em Xanxerê

COLAPSO

Seis pacientes com Covid-19 morrem aguardando leitos de UTI em Xanxerê

Das muitas mutações que o novo coronavírus já sofreu desde que começou a circular, três são consideradas mais preocupantes, por terem maior capacidade de transmissão. Além da brasileira P.1, variantes do Reino Unido e da África do Sul têm a mesma condição.

Essa nova ‘versão’ do vírus tem uma alteração na proteína Spike, que liga o coronavírus às células. A mudança faz com que as pessoas infectadas tenham mais carga viral e transmitam mais facilmente a Covid-19, para um maior número de pessoas.

“Superespalhadores”

O superintendente Eduardo Macario defendeu, à coluna, as medidas adotadas pelo Governo do Estado para conter a propagação do coronavírus, com ‘restrição intermitente’. Segundo ele, a Secretaria de Estado da Saúde observa que as contaminações ocorrem mais em momentos de lazer – embora não haja números oficiais que indiquem essa prevalência.

Carlos Moisés chama órgãos que defendem lockdown em SC para diálogo
RESTRIÇÕES

Macario chama as aglomerações em happy hours e baladas de eventos “superespalhadores”, e defende que por isso a redução de circulação nos finais de semana e nas madrugadas pode ter efeito na redução de contaminações e, por consequência, de internações.

– Este fim de semana foi importante para passar às pessoas que existe risco quando se baixa a guarda – avaliou.


Opinião dos Leitores

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



Current track
Título
Artist